quarta-feira, 21 de maio de 2008

Depois que tudo se perde

Depois de tudo que se perde
O coração pulsa
Como a respiração das árvores e do tempo

É quando as coisas perdidas voltam
Pedindo uma canção do reencontro

Nasceram cabelos brancos nos sentimentos.

3 Comentários:

Às terça-feira, junho 17, 2008 , Anonymous Michelle disse...

saudade de ler teus poemas...
já reli esse algumas vezes
abraço
Michelle

 
Às segunda-feira, junho 23, 2008 , Anonymous Anônimo disse...

Sama...sempre venho aqui a procura da tua poesia...qta saudade...

 
Às quarta-feira, junho 30, 2010 , Anonymous Anônimo disse...

O inesperado, na poesia conta e muito. E esse poema é bem sintomático.
Depois da leitura dos versos, algo bate diferente. Aí já não somos os mesmos.

Valeu, Samarone. Numa antologia pessoal, esse já está incluso.

ARSENIO MEIRA JUNIOR

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial