sábado, 1 de março de 2008

Teu nome

Teu nome está em todas as pontes
dos meus olhos
nas cascas das cebolas
no intervalo entre o raio
e o trovão

Teu nome é secreto como a força
é prematuro como um barco vazio
que não atraca nunca

Teu nome cria musgo
em minha pele
como una pedrita

Teu nome tira os calos da minha dor.

Centro do Recife, fevereiro de 2001.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial