quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Pesos

Queria que minha mão não pesasse
mais que a mão de uma criança

Que os ombros não passassem
de um graveto
no bico de um pássaro

Que o coração não pesasse mais
que o coração
de um cachorro de estimação

Que todo adeus
fosse um encontro para uma esquina antiga
cheia de papéis que voam
brincando de ser vento


Rio de Janeiro, janeiro de 2008.

2 Comentários:

Às sexta-feira, janeiro 25, 2008 , Anonymous Anônimo disse...

o assustador qdo te leio... é que me encontro em tuas palavras...desse modo parece que compartilhamos sentimentos, dores...pior, parece que a vivenciamos juntos, ou parece até que já nos conhecemos em outras vidas...(se é que exista).
Que estranho e desalojante.
Amo te ler, parece alguém narrando meus pensamentos...
lisa

 
Às terça-feira, janeiro 29, 2008 , Blogger Mircala disse...

Lo tienes todo:
Un mapa, una brújula y una mochila.
Tienes un cuaderno con las hojas en blanco.
Un bolígrafo y otro bolígrafo.

Lo tienes todo planeado:
La ruta, los paisajes, las distancias,
Las densidades, los volúmenes.
El tiempo y las dimensiones.

Y así tienes tú control de tu vida.
Puedes pasar y te puedes quedar.
Puedes no dejar rastros,
Ni olor, ni esencia.
Lo tienes todo controlado.

www.likecinnamon.blogspot.com

te leio.
adoro.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial