quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Tenho saudades dos móveis
das casas que não morei
a cômoda educativa, que acolheu
meus botões
o sofá no centro da sala
que levava a noite
para o dorso do meu corpo

Tenho saudades dos cães
que nunca latiram a minha chegada
que nunca cintilaram meus ossos sem luz
que nunca mijaram os postes de minha rua

Tenho saudades de mim
do grão da colheita atirado ao relento
do rio que migrou marcando as terras
do fulgor das mansidões desenhadas no peito

E do que resta da saudade não há nada
nem sofá, nem cão, nem minha sombra

O que resta da saudade é um chapéu na cabeça de um avô
que não volta mais a cantar.

2 Comentários:

Às quinta-feira, outubro 25, 2007 , Anonymous Anônimo disse...

"...e das saudades irrecuperáveis de tudo o que não foi ele regou todas as belezas sob a planta dos seus pés e fecundou asas e raízes no leito das suas sedes mais delicadas. eu vi a cor do invisível um dia."

é o trecho de um conto que estou escrevendo e que talvez nunca acabe...

saudade é dessas palavras que a gente só pode amar.

beijo
justine

 
Às quinta-feira, dezembro 06, 2007 , Anonymous sirley disse...

lindo... Sama... lindo!
"o sofá no centro da sala
que levava a noite
para o dorso do meu corpo"

Cada vez mais vejo o grande escritor e poeta que você é...
tu sabes cativar as palavras... e com ela cativar... tu amas as palavras e elas também te amam.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial