sábado, 24 de novembro de 2007

colecões

Coleciono fitas para maquinas
Olivetti que estão no ferro velho
das minhas mãos velhas.

Coleciono banhos nas piscinas
em velhos clubes fechados
e ando cantarolando uma musica do Cartola
que escutei na Espanha.

Coleciono cartões postais
de cidades com clima frio
e boto debaixo do cobertor
em dias quentes

Juro que me sinto em Paris.

Colecionei carteiras de cigarro vazias
que valiam uma nota
mas numa viagem, perdi milhões,
então passei a fumar muito
e essa tosse, juro que não nasceu comigo

veio dos pulmões das minhas lembrancas.


Cabo, noviembre de dois mil e siete

2 Comentários:

Às segunda-feira, novembro 26, 2007 , Anonymous Anônimo disse...

Meu Amigo, não sei como pude passar tanto tempo ser ler suas lindas crônicas e poemas. Você me faz acreditar que a vida pode ser bem melhor. Um beijo.
Rejane (Poço da Panela)

 
Às segunda-feira, dezembro 10, 2007 , Blogger Moacy Cirne disse...

Meu caro, do Sopão para o Estuário, do Estuário para os seus poemas foi uma só caminhada. 'Coleções', por vias atravessadas, me fez lembrar uma cena de 'Les carabiniers', de Godard: a cena dos cartões postais. Claro, sua "guerra" é outra. Um abraço.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial