sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Fragmentos, estudos, esboços

Carrego um baú velho nos ombros:

Quem abrirá, para cheirar
as dores do passado?

***
Ele ofereceu-me, então, um chá de bofetadas.
Bebi lentamente, gole a gole, sem parcimônia.

***
Há dias em que o sol proclama
a beleza das pedras.

***
Um dia, morri de saudades
da minha alma.

***
... vi os muros de perto
tão largos quanto o esquecimento
senti como pesam
as trancas por fora.

***
Me deixo atribular por paisagens
rios inumeráveis, finos como veias
até que um dia
consiga costurar as imagens
que assoprei nas mãos
que ficaram vazias.
***

2 Comentários:

Às quinta-feira, outubro 16, 2008 , Anonymous priscilla disse...

'Um dia, morri de saudades
da minha alma.' - nunca vou esquecer disso.

intenso.

 
Às quarta-feira, outubro 29, 2008 , Blogger Thaís Nóbrega disse...

"Há dias em que o sol proclama
a beleza das pedras"


isso me lembrou a sua saga e a Pedra do Reino, no outro blog.

=)

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial