quarta-feira, 19 de julho de 2006

Com sentir

Por Gustavo de Castro e Silva

Penetrar um olhar tardio em todas as coisas
para contemplar em tarde seres
o poente de cada um.
Ver que a imagem é o silêncio que fala,
na fala muda das cores
e admirar o movimento mínimo
para fazer tai chi no chão.
Captar a chuva que se expressa em haikais,
goteja versos do alto, cai que cai um calmo canto,
pingos e ais, filamentos de céus e prantos.
Ler o livro da alma e aprender a soletrar o íntimo texto,
degravar ao escrever.
Observar a pele ao sol, e ao sol, clorofilar-se.
Passear por si mesmo: animar-se, colibrir-se,
passarinhar-se, aninhar-se de céu a esmo.

Os olhos andam assim, pela vida descalços,
tateiam tudo com toques calejados
ao encalço dos cegos.

3 Comentários:

Às quarta-feira, agosto 02, 2006 , Blogger Adri disse...

"O poeta já nasce conscrito,
Atendendo às fascinantes inclinações do erro,
Já nasce com as cicatrizes da liberdade".

 
Às quinta-feira, fevereiro 22, 2007 , Anonymous Anônimo disse...

Keep up the good work » » »

 
Às terça-feira, março 06, 2007 , Anonymous Anônimo disse...

This is very interesting site... » »

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial