terça-feira, 3 de julho de 2007

Demissão

Pedirei demissão
dos ossos do ofício

Comprarei uma Superbonder
para colar os sentimentos

De vez em quando, darei um aceno
sem pressa

Andarei devagar, oscilando
tal qual a memória dos velhos
Farei o silêncio das canções

A vida sempre tem pressa
e algo de prematuro

1 Comentários:

Às sábado, agosto 04, 2007 , Anonymous Anônimo disse...

farei o silêncio das canções...

suspiros apenas...

essa poesia...se basta...não há comentários q alcancem a profundida dela...

obrigada...sinto-me desvelada...desnuda com tuas percepções...

não me sinto mais só!

lisa

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial