domingo, 24 de junho de 2007

Tangências

Falo com deus
Pelos olhos do meu avô

Conto o tempo
Pelo abismo do bêbado
Apoiado à parede

Ausento-me da vida
A cada meia hora
E luto com franqueza
Com minha coleção de estilingues

Me falta pedra e pau,
Por isso, o ferimento é sem sangue
Coagula no sopro da tarde

Tenho pela minha mãe
Um amor tão filial
Que acalma o jardim
De nossa casa

Ultimamente, tenho cansado
de remendar roupas antigas

Ando mais pela tardinha
Onde o sol vai beirando
E é quase nada

Ancorado na sombra
Fico como um barco
Rareando no cais
Até anoitecer

Então, dou um aceno devagar
Meu avô dorme no meu peito
E Deus cochila, no alpendre

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial