quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

Mínimos entalhes

Rabisco

Às vezes, enquanto manuseio a caneta, à procura de um tema
risco a mão
e fico com a sensação de que o corpo também é flor
e pede um poema

Eterna acusada

É muito dura essa vida de andorinha só
culpada de nunca fazer o verão

Desenquantos

Tive um encontro desmarcado comigo mesmo
e no entanto faltei

Mineral

Um caminhão que carregava água mineral
capotou ontem às margens do Capibaribe

O rio, enfim, matou sua sede

Demasiado humano
Todo mundo corre o risco de ser
apenas de carne e osso

Depois que cresci, fiquei com orgulho
do meu pescoço

Recifense

Está tendo tanto maracatu
que estou com inveja dos tatus

**
Inspirado no Gustavo, em seu www.razaopoesia.zip.net

3 Comentários:

Às sexta-feira, fevereiro 23, 2007 , Anonymous Gustavo disse...

amei, rapaz, porque tu não escreve mais? essas coisinhas enchem a alma...bjs
gustavo.

 
Às sábado, fevereiro 24, 2007 , Blogger Samarone Lima disse...

O gustavo é um babão!
sama

 
Às sábado, março 03, 2007 , Anonymous zizi disse...

e é mútua a inspiração...

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial