quarta-feira, 20 de setembro de 2006

Sangrar

Sangrar não é tudo
Muito antes, o soluço
Corrompe o céu
Blasfema no corpo
As derrotas, o ranger
Dos ferros.

Sangrar não é nada
É líquido que se perde
nos desvãos

Muito antes, a lágrima
Seca o corpo
Não deixa sequer
Umidade nas dobras
(por isso o homem range)

Sangrar não é tudo
Um dia, o corpo coagula
E sem nada nas carnes
O homem ainda canta.

Por Samarone Lima
Poço da Panela, 12.09.2006

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial