sábado, 5 de agosto de 2006

Olhos de semente

Olhar jogando sementes
Colher ao fim da jornada
Como se teu corpo
Tivesse a própria flora
Uns lírios que se incorporam
Às minhas pálpebras sedentas.

Olhar para a raiz
Tendo tua palavra
Como o sustento
O viço
O ponto exato
Sem alvo.

Samarone Lima

4 Comentários:

Às terça-feira, agosto 08, 2006 , Anonymous Anônimo disse...

Como gostaria de plantar essas sementes, e vê-las frutificar........

 
Às domingo, agosto 13, 2006 , Blogger Adri disse...

"Segura o poema na concha das tuas mãos banhadas na pureza sacramental da lírica..."

 
Às quarta-feira, agosto 16, 2006 , Anonymous Anônimo disse...

samarone,

me veio essa brincadeira com teu poema. Espero que aches engraçadinho. É que minha poeta ainda dorme...

se a salvo estivesse
evitaria o seu olhar,
que me crava o peito
de onde florescem queimores
jamais findos.
Os lírios do teu corpo me embriagam desde o primeiro dia,
como se tuas pálpebras não tivessem fim nessa jornada flora

sem ti não me salvo.

 
Às quarta-feira, fevereiro 07, 2007 , Anonymous Anônimo disse...

Excellent, love it! » »

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial