sexta-feira, 6 de outubro de 2006

Rostos

Por Samarone Lima

Tenho tido muitos rostos
Amanheço tísico, esses olhos remendados
não convertem nenhuma esperança.

Pouco depois
as nuvens dispersam
os lábios fraquejam
escapa-me um sorriso.

Ao almoço, esbarro
em minha cara cheia de pedras
Meus ossos parecem cigarros
e falta-me uma oração.

Antes do escurecer
meu rosto anoiteceu em definitivo
Minhas sobrancelhas pedem perdão
meus cílios imprevisíveis
querem adormecer.

Algum dia
ao olhar meu rosto mais antigo
encontrarei
meu rosto definitivo.

2 Comentários:

Às domingo, outubro 08, 2006 , Anonymous Anônimo disse...

eu gostei muito desse, samarone.

:*****

 
Às quarta-feira, outubro 11, 2006 , Blogger poemusicas disse...

Com extrremo prazer lhe envio estes poemas qeu fiz ainda hoje. Queria que você desse uma olhadela no meu blogger: www.poemusicas.blogspot.com

SOU, EU

Sou o que não se pode dizer de uma flor,
O que não sobra pra mostrar quem sou,
Um reles vivo, mas do que vivo, não sei.
Um operário, que conta o horário, sou,

O que não se deve contar das pessoas,
Como se todos fossem iguais, não sou,
Eu sou antigo, um sino triste que ressoa,
Uma aparência, uma tendência ao pó,

Das minhas vestes sujas e largadas,
De minha história um conto misturado
Como de tantas pessoas,desencontradas
Sou eu este pedaço, menor, ressecado,

Dos meus caminhos, áridos, de fome,
De alguém passou todo o abandono,
Tal como um corpo sob os escombros,
Que todos sabem vive, mas ele some.
naeno:autoretrato:111006

PRIMEIRO CANTO ÚLTIMO

Essa tristeza que me habita e mata,
e o meu semblante de pesar descora,
vem de tempos, distantes já é nata,
que há muito sei, no meu peito mora.

dá mágoa infinda, em dor se desata,
banha o meu riso da loucura, e chora
meu peito dói, e de chorar não para,
prantos sentidos, e o amor desflora.

Desata o meu coração, em prantos,
delírios loucos e por sofrer, sufoca,
a minha alma, que já sofreu tanto,
também se declina contrária a sorte.

Vem meu amor, como se fosse hoje,
o último dia, da minha última hora,
vem e ilumina, dos meus olhos foge,
tua fisionomia, teu amor, a aurora.
naeno:111006

Um enorme beijo

Naeno

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial