quinta-feira, 20 de maio de 2010

Regras para um poema

Por Samarone Lima

Deixar que os poemas fracassem
Fiquem imóveis como dormentes
junto a uma velha estação
onde dormiu Tolstói.

Aceitar que as lamparinas
iluminam mais que palavras
que metáforas são cães vivos
que não latem, não mordem.

Carregar os papéis por toda a vida.
Envelhecer com eles

Até que um dia
a carne viva.

Aurora, 20 de maio de 2010.

6 Comentários:

Às quarta-feira, maio 26, 2010 , Blogger Aivlis Sego disse...

sim, até que um dia a carne viva...

 
Às segunda-feira, junho 28, 2010 , Blogger Canto da Boca disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às segunda-feira, junho 28, 2010 , Blogger Canto da Boca disse...

E que a desrazão, essa que também alimenta a emoção, regule a matéria...poética! A vida!

 
Às terça-feira, junho 29, 2010 , Blogger Arsenio disse...

Samarone, cheguei aqui por obra e graça de Inácio. Vi o link no blog dele, e cá estou.
Prefiro poesia à prosa.
E seus poemas são bacanas.

Há magnífica poesia objetiva e subjetiva, e obviamente maus poemas sob o céu destas duas vertentes.

Li uma enxurrada de poemas aqui, e percebi em sua lírica a exatidão, que no final das contas, é o que importa, e não a objetividade temática.

O mais subjetivo assunto apreendido com exatidão dará objetivamente um grande poema.

Como este seu poema, em que abordas o fazer poético, assunto capturado secularmente por todos os escritores/poetas.

E o mais objetivo tema apreendido de maneira inexata resultará em pura vacuidade. Veja: uma poeta violentamente subjetivo como Cruz e Souza, que exatidão arretada!

Enfim, um grande Poeta pode fazer um grande poema com qualquer material, até mesmo com imagens gastas e expressões cediças. E mesmo sem ser crítico de p.n, foi isso que li nesta página.
Valeu. E bola pra frente.

 
Às terça-feira, junho 29, 2010 , Blogger Samarone Lima disse...

Arsenio, tentei responder para teu email, mas não consegui.
Obrigado pelas observações e apreciações.
De certa forma, eu vinha escondendo demais o que escrevo, priorizando as crônicas, mas acho que as águas podem correr paralelas.
Um abraço,
samarone

 
Às terça-feira, junho 29, 2010 , Blogger Samarone Lima disse...

Arsenio, tentei responder para teu email, mas não consegui.
Obrigado pelas observações e apreciações.
De certa forma, eu vinha escondendo demais o que escrevo, priorizando as crônicas, mas acho que as águas podem correr paralelas.
Um abraço,
samarone

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial