sexta-feira, 19 de março de 2010

Poemas sob encomenda - 1

Poema 1: A perda

A perda mora na esquina
por onde passo todos os dias
sua face tem lábios sem cor
brincos enferrujados
cílios postiços.

A perda mora em cada grão da colheita.

Na plenitude, a perda já deixou
sua mão esquecida.

A perda cresce mais que os seios das beatas
que as matas sem dono
que os ruídos da noite.

A perda pulsa como um coração
muito embora não acelere jamais
seu descompasso.

1 Comentários:

Às terça-feira, junho 29, 2010 , Blogger Arsenio disse...

Do belo conjunto de poemas, esse foi o que menos me chamou a atenção. Um certo tom já cansativo, exaustivo, diria.
Não deu liga, para não fugirmos totalmente da Copa do Mundo.

"SETE FLORAÇÕES" ganha de 3x1, fácil, fácil.

Aliás, esse "SETE FLORAÇÕES" é rochedo, como diria seu Sérgio, velho porteiro do prédio do meu velho, e meu amigo. É uma figuraça. (Ps - Ele é do... Santa Cruz apaixonadamente, adversário ferrenho deste qeu vos escreve, kkkk)

Abraços

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial