sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Incrustada

Algo de luminoso
bailava naquela esfera
(teus dedos abrangentes
como um senhor dissoluto).

Era tua nuca imperdoável
distante, abstrata
cheia de rugidos
do animal que te rompeu.

E assim,
na tarde mecânica
de teu sonho
deslizei para achar
teu nome.

Mas era tarde:
cada pedra sabia de ti
incrustada.

Aurora, 01.01.2010.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial